Prazo para associações fazerem manifestação de interesse para participar do Edital da Cajucultura termina nesta terça-feira

112
COMPARTILHE

Esta terça-feira, 07, é o último dia para que as associações e cooperativas  façam a manifestação de interesse de participar do Edital de Chamada 09/2017 que vai destinar 5 milhões de reais para a Cadeia Produtiva da Cajucultura do Território Semiárido Nordeste II.

Esse é um convênio do Programa Bahia Produtiva com o Banco Mundial, com a gestão da CAR-Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional. Para fazer a manifestação de interesse as associações e cooperativas devem acessar o site www.car.ba.gov.br. até esta terça-feira, 07 de março.

Segundo José Augusto Bitencourt, já foram feitas reuniões em municípios do Território do Semiárido Nordeste II, como Ribeira do Amparo, Euclides da Cunha, Cícero Dantas, Novo Triunfo, Sítio do Quinto buscando divulgar o edital para que as associações não fiquem de fora do projeto.

José Augusto, Coordenador Regional da CAR

Ainda segundo José Augusto, para participar do edital as associações devem estar legalmente constituídas e formadas por agricultores familiares ou por empreendimentos da economia solidária. As entidades, obrigatoriamente, tem que estar ativas há pelo menos um ano, com a documentação em dia, inclusive com Ata registrada em Cartório, entre outros requisitos, como a definição clara do projeto com o qual querem participar.

Quanto mais estruturada e organizada estiver a associação ou cooperativa, maiores as chances de obter a pontuação mínima de 470 pontos para sua classificação.

Ainda de acordo com José Augusto, a Cooperacaju, a CAR e a Bahia Ter tem trabalhado unidas com o objetivo de organizar as associações pertencentes aos municípios do Território do Semiárido Nordeste II, para que elas reúnam as condições de participar do Edital da Cajucultura, que prevê, por exemplo nos Subprojetos Tipo 1, que envolve um grupo de no mínimo 20 e no máximo 50 beneficiários, a liberação de 500 mil reais.

Já os Subprojetos Tipo 2, que envolve grupo de no mínimo 51 e no máximo 200 beneficiários, a previsão de liberação é 1 milhão e 500 mil reais, sendo a  Cooperacaju, inaugurada recentemente em Ribeira do Pombal, forte candidata a receber este valor em virtude do seu número de beneficiários. “O Banco Mundial quer investir, mas quer também uma certa segurança”, disse José Augusto acrescentando que para isso é fundamental a organização das entidades.

Redação pombalfm.com.br